Notícias

23/06/2014

LINKEDIN PEDE PASSAGEM

Empresas de todos os portes anunciam vagas de nível médio a cargos de CEO e profissionais de diversas áreas e perfis buscam trabalho e troca de experiências no Linkedin. A rede social profissional teve crescimento de 11% em um ano, de acordo com o levantamento Brasil Digital Future in Focus 2014, feito pela ComScore no País. Porém, segundo especialistas, o momento ainda é de adaptação para aproveitar o potencial da plataforma de conectar talentos e oportunidades.

 

O Linkedin é a segunda rede social mais acessada no País por PCs e laptops – que representam 90% do consumo online –, passou o Twitter e fica atrás apenas do Facebook. “Não é surpreendente, porque o brasileiro gosta de rede social, só que agora não só social como profissional”, destaca o diretor da ComScore Brasil Alex Banks, que atribuiu o crescimento também ao momento econômico do País.

 

Por outro lado, de acordo com a análise divulgada, o Linkedin cai seis posições no ranking quanto ao tempo gasto pelos usuários em cada visita, perdendo inclusive para Orkut e Badoo. Em fevereiro deste ano, por exemplo, a média de permanência foi de 9,5 minutos e 2,6 visitas por usuário. “É mais curta, geralmente para enviar ou aceitar um convite, mas a audiência já está grande e é importante para o desenvolvimento profissional do brasileiro.”

 

O aumento da audiência para Banks possui também o efeito viral. Foi assim com o economista Pedro Pires Sírio, de 49 anos. Empregado há mais de 20 anos no mesmo setor, ele percebeu que todos os colegas já tinham perfil na rede e decidiu aderir. “É cada vez mais importante ser visto. Tenho muita experiência para compartilhar e viso o futuro”, diz, sobre o cadastro que fez há quatro meses.

 

Imagem profissional


“Quero ser mais divulgador e ampliar meus relacionamentos profissionais, isso é importante.” A especialista em gestão de pessoas, Poliana Landin, é um exemplo de quem já definiu contratação após visita ao Linkedin. “Temos de pensar o tempo todo na nossa imagem na web. Perfil detalhado com uma foto condizente, explicação sobre projetos e conteúdos relacionados com a área destacam o profissional”, indica.

 

Landin diz que usa cada vez mais a plataforma como auxílio nas contratações, mas a popularidade faz que muitos usuários cometam deslizes. “Precisam lembrar que por ali o contato é profissional e se exagerar nas solicitações, nas mensagens, pode passar a imagem de que não é um profissional focado”, orienta sobre o que muitas empresas já consideram na hora de uma contratação.

 

Para aproveitar a conexão com mais de 300 milhões de pessoas no mundo todo, 15 milhões só no Brasil – o terceiro com mais membros –, especialista em mídias digitais do Ipog, Leonardo Diogo Silva, explica que a presença online deve ser levada mais a sério. “Na Europa e na América do Norte, já é um pré-requisito. O usuário começa a perceber que o conteúdo que compartilha e suas conexões podem aumentar sua relevância.”

 

Ele lembra que um perfil atualizado, com conexões e interações, chamado pelo Linkedin de revolucionário de conteúdo, também destaca o profissional nas pesquisas no Google. “Dominar seu resultado de pesquisa mostra que está se tornando uma referência.” Foi o que percebeu o engenheiro de computação Rony Barbosa Tomaz, de 23 anos, enquanto morou em Dublin, na Irlanda.

 

“Tive de incrementar meu perfil, porque lá eles usam basicamente o Linkedin, é muito forte.” Após atualizar e aumentar a força de seu perfil, ele recebeu e-mail com vagas de emprego, todas seguindo criteriosamente suas habilidades e experiências anteriores. “É muito interessante quando percebemos que se encaixa.”

 

A ferramenta, além de recrutar talentos, também ajuda empresas como poderosa plataforma de mídia.

 

Fonte: O Popular



Venha fazer parte da nossa equipe de vencedores. Cadastre seu currículo.

Copyright © 2011-SindInformática - Todos Direitos Reservados

Avenida Anhanguera, nº 5674, sala 401, 4º andar - Setor Central - CEP: 74.043.011 - Goiânia/GO. Fone: (62) 3942.9499 | (62) 3942.9599

Produzido por